terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Cinema Nacional: bom ou ruim?

Tá aí uma pergunta que deixa a mim e mtas outras pessoas, intrigada.
Depende! Depende do que? Do que se vende por aí! Como assim?
É...esse filme do humorista do momento que não passa de uma novela encurtada, onde se tiram as partes que estão sobrando e caem no mesmo do mesmo: romance, traições e aventura. É Isso daí que vende, novela!
E infelizmente no cinema não é mto diferente. Ano passado, de 5 filmes nacionais que vi em cartaz, pelo menos 3 eram ruins. Por tratar-se exatamente disso, desagrado para alguns...felicidade de outros!
Gente que tem preguiça de pensar adora uma bobageira, tirando os filmes policiais do tipo Tropa de Elite, Assalto ao banco central que retratam fatos históricos repletos de violência e sagacidade, agradando geral, não se salva pedra sobre pedra. Tanto que até 2011, nenhum filme brasileiro havia ganho o Oscar de melhor filme estrangeiro. E o filme que teve maior bilheteria de todos os tempos foi Tropa de Elite 2, com público estimado em 11 milhões de pessoas, gente á beça.
Mas, tirando o fato das comédias-românticas-toscas venderem male-ma seus bilhetes em busca de atrair o público para suas salinhas escuras. Existem sim produções ótimas que sequer passaram perto do cinema.
Por mais estranho que pareça, no Brasil temos cultura demais. Produtoras estão carregadas de filmes nacionais (de qualidade!) não exibidos no país, ou exibidos tão pouco que nem se ouviu falar por aí, por serem direcionados a uma classe ou camada social. Para certo tipo de atividade cultural, trata apenas de uma ou algumas das fases do sistema de produção, mas, não de todas, o que impede o processo cultural de completar-se. Acabando por deteriorar-se o material em suas prateleiras por falta de salas de exibição.
A questão é que a ideologia do sistema em vigor não se interessa que esses filmes sejam efetivamente exibidos no nosso país, por razões políticas e econômicas.
E quando o faz, isso acontece apenas no interior de uma classe ou setor de uma sociedade, gerando os ambientes rarefeitos conhecidos por todos que dão aos que nele circulam a sensação de um universo cultural que na realidade jamais conseguirá lançar raízes e desenvolver-se.
Mas, como tbém a ação cultural é movida a utopia, é preciso ter bem claro que como tudo o mais neste tipo de sociedade, quem controla os meios de produção propriamente ditos, controla tudo! Quer dizer: Na produção cultural, o vital é manter os monopólios da produção e colocá-la ao alcance efetivo do maior número de pessoas. A isto é que se poderá chamar de "democracia da cultura".
O consumo é o termo apropriado para designar aquilo que ocorre numa sociedade alienada onde coisas são compradas e utilizadas de um modo superficial. Isso tanto vale para o comportamento/visual copiado da protagonista da sua novela preferida quanto para o que vc vê, lê, assimila e vende a ideia nas ruas, parte do seu dia-a-dia.

Sabe o carinha bonitinho que faz o pai herói da novela da Globo, Rafael Cardoso?

Antes de aparecer como novo-galã-bom-moço, fez dos melhores filmes nacionais que já vi, "Do começo ao fim" no qual faz parte de um casal homossexual, que se ama com toda força e coragem que há nessa vida, passando por cima de limites impostos até pela genética.

Pesquisa: TEIXEIRA COELHO, O que é ação cultural

2 comentários:

Blog Woman Chic disse...

Para mim o cinema nacional tem produzido filmes de qualidade.
Beijos

fil-à-fil couture disse...

Oii.. Adorei seu blog!! Por favor me manda um email para que eu possa entrar em contato! beijos

Vanessa Moura,
Equipe FIL-À-FIL.