quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Chile

Santiago
Cercada pela Cordilheira dos Andes, a capital chilena é mega organizada e limpa. De encher os olhos com a beleza de suas montanhas, cerejeiras, folhas secas caídas ao chão.

Onde ficar
Hostal Romandia
O agradável hostal fica na sossegada rua Romandias no Bairro da Providencia. Tudo bem organizado e limpo, quartos aquecidos, acesso a internet Wifi, café da manhã delícia e excelente atendimento e preço que cabe no bolso. Me tornei muito fã deste lugar!


Vinícola Concha Y Toro
Uma das marcas de vinho mais fortes do Chile, localizada na pré-cordilheira andina, próxima a cidade de Santiago.
O passeio pela vinícola oferece mais do que uma degustação, o visitante vai caminhar entre as vinhas, conhecer a linda propriedade de Don Melchor, suas adegas e ouvir estórias como a do Casillero del Diablo.




Em 1891, quando o fundador da marca resolveu reservar para si os melhores vinhos das safras de suas vinícolas, como forma de manter inalteradas as propriedades. Estes vinhos foram guardados em uma adega subterrânea destinado ao consumo de sua família. Passado algum tempo, Don Melchor deu falta de alguns barris e com medo de alguém roubar sua preciosa reserva, espalhou o boato de que o diabo tomava conta do porão no qual os vinhos eram mantidos. Nascia a lenda do Cassilero del Diablo.



Onde comer
O ponto forte do Chile são os pescados e frutos do mar, um dos restôs que mais gostei de comida mediterrânea, foi o Guria na Calle Manuel Montt 1599, clima romântico, luz baixa, decoração leve e os pratos maravilhosos, na média de 30 a 40 mangos por pessoa, vale cada garfada.

Meios de transporte
No Chile é tudo longe!rs
O táxi é barato, mas o melhor e mais rápido meio de transporte sem dúvida alguma é o metrô. Não deixe de conferir as mini-exposições nas paradas.

Assim como em Buenos Aires, o esquema é descolar um mapinha e fazer um tour pela cidade, não deixe de subir no Funicular, a vista é um espetáculo!



Visite a casa de Pablo Neruda e próximo dali tem uma feirinha e lojas que vendem a pedra Lápis-lázuli, que só tem lá e no Afeganistão.
E quando fome bater, é hora de dar um pulinho ao mercado municipal que tem dezenas de restaurantes especializados em pescado e frutos do mar.


Antes mesmo de me acostumar aos ares de Santiago, fizemos as malas (mozi e eu) e caímos na estrada para Mendoza, a travessia da cordilheira dos Andes que algo assim...magnífico!
De 7 a 8 horas de viagem, bem confortável com o visual das geleiras, o bumba pára na alfândega. Boa oportunidade para descer, tomar um cafezinho quentinho (pq lá faz um frio danado!rs) e finalmente curtir a neve! \o/





Mendoza
De volta a argentina, a hospedagem foi novamente no Hostel Suites
Mais pegada, galera nova...uma gringaiada faladeira, música eletrônica e garrafas de Quilmes por todo canto.
Gastamos um pouco do inglês e portanhol no refeitório do Hostel depois fomos pra balada mendocina. O Raggaeton come solto lá, e honestamente é um porre! Mas, na balada Kamikaze, tinha outros ambientes, inclusive uma pista M-zero de progressive, típico inferninho de Sampa.
No dia seguinte passeamos pela cidade, e uma das coisas que mais me chamou atenção foram as praças, muito bonitas e bem cuidadas. Em especial a Plaza da Espanha com seus azulejos espanhóis fascinantes recobrindo bancos e postes. E o mais legal, livros disponíveis para qualquer pessoa ler e fazer consultas, na praça. Perfeito!


Á tarde optamos por fazer um passeio através do hostel que fechou com uma galera um transfer + uma instrutora gente boníssima para nos levar á 2 vinícolas e uma fábrica de azeite de oliva.
A primeira foi a Bodega Checchin
Diferentemente da Concha y toro, é uma vinícola menor e tão quanto agradável.
Um belíssimo lugar. Caminhamos pelas vinhas, azeitoneiras e aprendemos saborear diferentes tipos de vinhos e azeitonas.



Em seguida fomos até a fábrica de azeites Pasrai SRL e tivemos explicações sobre como p azeite é processado, coisa e tals. Mas, achei um pouco cansativo. Bom mesmo, foram os pãezinhos com diversos tipos de azeite, uvas passas, tomate seco que provamos no final.miam =P
Achei interessante que á partir da mistura do azeite são feitos outros tipos de produtos. Ex. Cosmésticos. Provei um creminho hidratante super bom e me arrependi até o último fio de cabelo de não ter levado um pra mim. =/
E finalmente a última,já estávamos mais pra lá do que pra cá, curtimos a beleza local, degustamos vinhos a base de muita bobeira.




A volta pra casa (hostal Romandia) foi cansativa, e tão bela quanto a ida.
Os últimos dias foram de comilança geral, no Hostal tinha um jardim fofo e nosso esporte preferido era comprar lasanhas pré-prontas 4 queijos, abrir uma lata de choritos acompanhados de um bom vinho Casillero.
Nos despedimos da culinária local e todos seus mariscos, tomando suaves doses de Pisco Sour, com a mala abarrotada e uma única certeza: Não existe nada melhor que viajar, cair no mundo!

Um comentário:

Camila B. disse...

Vou pegar todas as diquinhas!